SOFT POWER AMERICANO: O ENTRETENIMENTO COMO FERRAMENTA DE PODER

Autores

  • Mariana Monteiro Cadengue Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Palavras-chave:

Soft power, entretenimento, indústria cinematográfica, Estados Unidos

Resumo

O soft power é um importante propulsor econômico e social no âmbito nacional e internacional. Por meio da indústria do entretenimento esse poder se alastra desempenhando uma influência no plano político e ideológico mundial. Nesse contexto, este artigo teve por objetivo analisar se por meio da ótica estadunidense a cultura, como instrumento do soft power, deve ser entendida como um dos atores principais nas Relações Internacionais, auxilia o Estado norte-americano a se manter como uma potência global, ao disseminar suas ideias e valores. Assim, esse trabalho busca ilustrar como o poder brando é visto nas Relações Internacionais, demonstrar qual o impacto dessa ferramenta para os estadunidenses e apreciar como o soft power, por meio do cinema e streamings, se faz presente na política externa dos Estados Unidos. A partir dos documentos analisados foi possível constatar que os Estados Unidos utilizam esse tipo de poder para manter sua influência global. Contudo, com a ascensão de novos países como possíveis novos focos globais, não é possível afirmar que no futuro a nação norte-americana venha a deter da mesma habilidade de chegar ao objetivo desejado por meio do soft power.

Biografia do Autor

Mariana Monteiro Cadengue, Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Pós-graduada no curso de Pós-graduação em Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo e bacharela em Turismo pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BALLERINI, Franthiesco. Poder suave. São Paulo: Summus, 2017. BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o Conceito de Cultura. 2012.

CANBERRA, Kadira P., Why Cultural Values Cannot Be Ignored In International Relations. East Asia Forum Economics, 2014. Disponível em: https://www.eastasiaforum.org/2014/09/20/why-cultural-values-cannot-be-ignored-in- international-relations/. Acesso em: 28 mar. 2023.

CASTRO, Thales. Teoria das Relações Internacionais. Brasília: FUNAG, 2012. DUNNE, Tim. et al. International Relations Theories Discipline and Diversity.

Oxford: Oxford University Press, 3 edição, 2013.

DURHAM, Eunice R. A Dinâmica Da Cultura: ensaios de antropologia.Organização: Omar Ribeiro Thomaz, Prefácio de Peter Fry. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

EAGLETON, Terry. A Ideia De Cultura. Lisboa, Actividades Editoriais 2003.

FRÓIS, Katja Plotz. Globalização e a cultura identidade no mundo de iguais. Caderno de pesquisa interdisciplinares em ciências humanas, v. 5 n. 62. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2004, pp. 1-9. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/1201/4444. Acesso em 5 abr. 2023.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008. GÓES, Guilherme S.; RATTMANN, Carlos A. A Geopolítica Pós-Pandemia Mundial.

GLOBAL Digital Subscription Snapshot. Q2 Report 2022. Org. FIPP; Piano, 2022. Disponível em: https://www.fipp.com/wp-content/uploads/2022/06/GDS-Snapshot- Q2-2022.pdf. Acesso em: 14 abr. 2023, p. 24.

HARRISON, Lawrence E.; HUNTINGTON, Samuel P. Culture Matters: How Values Shape Human Progress. New York: Basic, 2000.

KARNAL, Leandro; et al. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI /– São Paulo: Contexto, 2007.

KHODAVERDI, Hassan; SHAHMOHAMMADI, Yosef. The Role of Culture in International Relations Theories. International Journal of Political Science. v.7, n. 3, 2017, pp. 49-60. Disponível em: https://journals.iau.ir/article_539712_1a7ddebef566792b07e110c577633948.pdf. Acesso em: 8 abr. 2023.

MAHNKEN, T. G. United States Strategic Culture, 2006, pp. 1-25. Disponível em https://apps.dtic.mil/sti/pdfs/ADA521171.pdf. Acesso em: 11 abr. 2023.

MARQUES, Mariana R. Cinema em Hollywood: a história completa. 25 abr. 2019. WordPress: marianarmarques. Disponível em: https://marianarmarques.wordpress.com/2019/04/25/cinema-em-Hollywood-a- historia-completa/. Acesso em: 10 abr. 2023.

MCCLORRY, J. The soft power 30: A global ranking of soft power 2019, 2019. Disponível em: https://softpower30.com/wp-content/uploads/2019/10/The-Soft- Power-30-Report-2019-1.pdf. Acesso em: 07 abr. 2023.

MESQUITA, Luciano Pires. A “Guerra Do Pós-Guerra”: o cinema norte-americano e a guerra do Vietnã. Universidade Federal Fluminense. Niterói. 2004. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/25013/A%20%E2%80%9CGUERRA%20DO %20P%C3%93S-GUERRA%E2%80%9D_%20O%20CINEMA%20NORTE- AMERICANO%20E%20A%20GUERRA%20DO%20VIETN%C3%83.pdf?sequence= 1&isAllowed=y. Acesso em: 8 abr. 2023.

NYE, Joseph S. Bound to Lead: the changing nature of American power. New York: Basic Books, 1990.

NYE, Joseph S. Public Diplomacy and Soft power. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, v 616, 2008, p. 94-109. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/25097996. Acesso em: 9 abr. 2023.

NYE, Joseph S. The Future of Power. New York: PublicAffairs, 2011.

RUDZIT, G. O debate teórico em segurança internacional: mudanças frente ao terrorismo? Civitas: revista de Ciências Sociais, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 297–323, 2006. DOI: 10.15448/1984-7289.2005.2.5. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/5. Acesso em: 9 abr. 2023.

SCHMITT, Carl. O Conceito do Político. Petrópolis: Vozes, 1992, pp. 27-39.

SILVA, Bruna M.; SILVA, Arlete M. da. O 11 de setembro no cinema Hollywoodiano: uma análise geopolítica do filme ‘voo 93. SEPE III: Ética, política e educação no Brasil Contemporâneo, v. 3, 2017, p. 1-15. Disponível em: https://www.anais.ueg.br/index.php/sepe/article/view/8943. Acesso em: 8 abr. 2023.

SOUSA, Daniel; BAGHDADI, Tanguy. [Aula Gratuita] NBA e Netflix: cultura americana e poder global. Youtube: @ClippingCACD, 22 set. 2020. 1 vídeo

(1:49:49). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=dzjgcZzqQ4o&t=5606s&ab_channel=ClippingCA CD. Acesso em: 10 abr. 2023.

VIOTTI, Paul R.; KAUPPI, Mark V. International Relations Theory. Pearson Longman, 5 edição, 2012.

Downloads

Publicado

04-06-2024

Como Citar

Cadengue, M. M. (2024). SOFT POWER AMERICANO: O ENTRETENIMENTO COMO FERRAMENTA DE PODER. Revista Data Venia, 16(2), 26–48. Recuperado de https://revistas.belasartes.br/datavenia/article/view/436